São José Moscati, médico íntimo de Deus, caridoso, casto, trabalhador e despojado

  • Origens
    Entre as estrelas de primeira grandeza do século XX conta-se São José Moscati. 
    Nasceu no dia 25 de julho de 1880 em Benevento, Itália, sétimo de nove filhos do casal Francisco Moscati, presidente do tribunal daquela cidade, Rosaria de Luca, descendente dos marqueses de Roseto. Seus pais eram católicos praticantes. Tanto que José Moscati foi batizado em sua casa no dia da festa de Santo Inácio de Loyola.

    Infância e vida eucarística
    No ano 1884, a família do pequeno José Moscati mudou-se para a cidade de Nápoles porque seu pai fora promovido. Lá, o menino José, com apenas oito anos, fez a primeira comunhão. Mas não foi só isso. Ele teve um encontro pessoal com Jesus na Eucaristia. Nesse dia, o embrião da vida eucarística de São José Moscati ganhou vida. A Eucaristia foi, ao longo de toda sua vida, alimento espiritual diário, que guiou toda a sua história.

    Opção por ser útil
    Sendo o pai nomeado Conselheiro do Tribunal de Apelação de Nápoles, é nessa cidade que José Moscati faz os seus estudos. Escolheu a carreira de medicina e não de direito, como era natural, porque lhe pareceu que, como médico, podia ser mais útil ao próximo.

    São José Moscati: Intercessor dos médicos patologistas

    Dizeres do santo
    “Desde criança — escreverá ele mais tarde —, olhava com interesse para o Hospital dos incuráveis, que meu pai me apontava do terraço da casa, inspirando-me sentimentos de piedade pela dor escondidas atrás daqueles muros”.

    Generoso
    Quem ficou perplexa com a escolha foi a mãe: “José é um rapaz generoso, capaz de qualquer sacrifício. Numa carreira como esta, dará até a última gota de energia para aliviar os sofrimentos alheios”.

    Castidade perpétua
    Aos dezessete anos, sentiu no coração o desejo de fazer voto de castidade perpétua, porém não se sentia chamado à vida religiosa nem tampouco ao sacerdócio. Isso surgiu claramente por conta da sua devoção à Virgem Maria e à Eucaristia. Ele já intuía que seu caminho seria como leigo ativo na Igreja.

    Envolvido nas atividades paroquiais

    Espiritualidade encarnada
    Como fruto de sua devoção, revelava-se seu amor para com os pobres e necessitados. Sua devoção não era vazia nem alienada. José Moscati, na sua juventude, foi bastante ativo na vida paroquial, de missa e comunhão diária, sentia especial compaixão pelos pobres, doentes e, em especial, os incuráveis. A convivência com esses que eram esquecidos pela sociedade, o ajudou a perceber que, de fato, a vida é passageira, de que só o céu é eterno! 

    Caridade com o irmão


    Por: CN

    Compartilhar no FacebookCompartilhar no Twitter